quinta-feira, 13 de março de 2014

Capítulo 31 - Cuga, Revelações Póstumas



A
Morte não é justa com ninguém, nunca se espera morrer um dia, até que se morre, nunca esperamos que coisas realmente ruins aconteçam conosco, até que acontecem.
       O que sei sobre a inquisição foi o que ouvi dos meus pais, que ouviram dos pais deles. Ouvi que a inquisição matou muitos de nós, Cultuadores da lua, após a inquisição muitos ainda permaneceram em meio a civilização humana, esses tornaram-se excluídos perante os homens para cuidar da arca que contem a sabedoria dos Cultuadores, por isso foram chamados Cultuadores Arcanos.
       Outro grupo, porém se refugiou nas florestas para estudar magia e a cultura da lua, estes foram chamados Cultuadores tribais, como eu, Cuga, que nasci em uma aldeia de Cultuadores tribais xamãs.
       Logo cedo me destaquei como um gênio na Magia Xamã, a magia de invocar espíritos, percebi que podia invocar espíritos de animais protetores da floresta para me ajudar em combate, o que me ajudou também a entrar no Exército do Leão como exímio assassino. Mas meu objetivo era bem mais obscuro, eu queria vingança, queria o sangue e as vísceras de Gordon em minhas mãos, queria a vida do único que podia impedir a inquisição e permaneceu inerte.
       Depois de morrer percebi muitas coisas, mas outras perguntas vieram à tona, principalmente sobre a origem da minha espécie. Mas a resposta para a origem dos Cultuadores pode estar em um cultuador solitário, um renegado, em um... Neflin.

0 comentários:

Postar um comentário