terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Capítulo 26 - Invasão (Parte 2) – Duelo de Titãs

A
nsioso, o exército comandado por Argonis esperava o sinal vindo do topo da colina na qual acabava o acampamento do Exército do Leão. Até que uma estrela azul cruzou o céu e eles souberam: Conseguiram, mas não todos.

       Todos estavam centrados e focados na batalha iminente. Argonis então dá o seu sinal:
- Formação! Atacar! – todos andaram juntos em direção ao portão aberto da fortaleza que guarnecia o exército imortal. Ao chegarem às portas vários soldados inimigos já estavam armados e indo em direção a eles, eis que pula uma figura por cima dos soldados de lenço branco no braço, a figura desarmada abate três com um golpe e grita:
- À nossa imortalidade! – Era Minus, e todos foram para cima, obstinados. Minus parecia um búfalo enfurecido, corria para cima dos soldados e antes que eles o atacassem ele já havia jogado eles aos céus. Até que em meio aos gritos e brandir de espadas um homem gigante aparece entre os inimigos, era o dobro do tamanho de Minus, levando em conta que Minus já era bem alto, a simples silhueta daquele ser já metia medo em muitos dos soldados de Argonis, que não recuaram porque sabiam que ele estaria na batalha. Ucatan, era o nome do gigante, estava desarmado, mas não parecia precisar de alguma arma. Minus muito embora, parecia estar desarmado, estava com seu punho, correu até seu cavalo e pegou um escudo, o qual trazia seu símbolo, um touro em relevo no escudo de uma lida fundida de aço.
- Um escudo no braço esquerdo? – Indagou Argonis.
- Quero guardar meu braço esquerdo para um momento em especial.
       Junto ao gigante vieram mais soldados, com suas devidas armaduras. Minus analisou:
- (Dois arqueiros, um escudeiro, parecem esperar que o gigante venha para cima para atacar.) Selin! Galgar! Os arqueiros.
       Como Minus havia mandado os dois escudeiros correram para cima dos dois arqueiros que seguiam o gigante Ucatan, os arqueiros corriam e pulavam procurando a distância e a mira para atirar, mas Selin e Galgar eram astutos. Foi o suficiente para deixar o escudeiro e o gigante a sós com Minus. Definitivamente não parecia humano, estava sem camisa e tinha apenas um olho, o outro estava cortado por um das inúmeras cicatrizes que cruzavam todo o seu corpo e principalmente no rosto.
       Ignorando completamente a guerra a sua volta e o escudeiro que devia proteger o gigante, Minus e Ucatan correram um em direção ao outro, a sensação era de que dois planetas iriam colidir e explodir, o chão parecia tremer a cada passada da corrida dos dois, suas palmas das mãos se encontraram com tal força que quase soltaram uma onda de som com o impacto. Ucatan era muito maior que Minus, ele parecia que seria esmagado, mas em um pulo felino se afastou do esmagamento, o gigante saltou para cima de Minus, que se surpreendeu com a agilidade do mostro, não havia tempo para se afastar, se posicionou e esperou o impacto, tal impacto caiu como um meteoro que espalhou poeira, ao espairecer, os pés de Minus estavam enterrados no chão maciço e seco do campo de batalha, foi preciso um pouco de esforço para tirar os pés das rachaduras do chão, nesse momento alguns dos soldados aliados e inimigos que estavam ao redor pararam de lutar e começaram a observar a o duelo de titãs, Minus sabia que não poderia enfrenta-lo frente a frente, mais uma vez Ucatan veio em direção ao Minus como um rinoceronte enfurecido e Minus fez o mesmo, mas quase próximo do impacto Minus mudou o curso em um pulo e foi em direção ao escudeiro que protegia o gigante, o que fez o Ucatan tropeçar e cair, todos começaram a rir ele grunhiu – NÃO RIAM DE MIM - Minus atirou um sodo de encontro ao seu peito do escudeiro com o punho direito, o homem voou e caiu desacordado em uma carraca, e seu peito estava anormalmente fundo. Mais enfurecido ainda Ucatan veio novamente em direção a Minus e no último instante para o impacto Minus deslizou pelo chão e passou entre as pernas do gigante, e correu em direção às costas dele, o gigante tentava parar se equilibrando para não cair novamente, até que Minus agarrou-lhe por trás, em sua cintura, que mal encontrava uma mão com a outra, todos ficaram pasmos sem saber o que eu ele tentava fazer, ele tinha que ser rápido, o gigante poderia jogá-lo para longe com sue quadril a qualquer momento, apoiou os pés no chão e começou a fazer força para levantá-lo o gigante parecia uma tartaruga tentando tocar seu casco. Minus estava começando e ficar vermelho, tanto que sua pele começou a brilhar e suas veias saltavam do corpo, principalmente dos braços, até que o improvável aconteceu, os pés do titã começaram a sair do chão, todos abriram suas bocas, Minus sustentou todo o peso daquela montanha em suas pernas que começaram a entrar novamente no chão, e com um grito impondo mais força além da gigantesca força que o puxariam para o chão, Minus o jogo para trás com sua cabeça em cheio no chão duro, o impacto ecoou pelo campo de batalha e seu pescoço jazia no chão. Ofegante, Minus ainda falou:
- Não é Você que vai me enterrar no chão definitivamente.
       Todos ao redor se perguntavam que tipo de treinamento aquele homem teria recebido? Minus retomou seu escudo e foi de encontro a Argonis.
- Mais um gigante para lista?
- Sim, mas dessa vez foram dois contra um, ele contra mim e aquela pedra. – E os dois riram. Argonis sabia que Minus tinha arquitetado tudo, desde a pedra que o gigante tropeçaria, ao fato de todos estarem olhando e rirem enfurecendo-o e desconcentrando-o.

Gustave Dore



0 comentários:

Postar um comentário